Mais Notícias

Header Ads

Cultura )) Academia de Letras do Brasil consagra imortais de Penha neste sábado

Encontro realizado da Pousada Pedra da Ilha para definir detalhes da solenidade
[ Foto: Kukinha Kulka ]
 
A Academia de Letras do Brasil consagra neste sábado, 16 de abril, os primeiros imortais da Seccional Penha. A solenidade acontece na Pousada Pedra da Ilha, às 19 horas, consagrando 19 escritores, educadores ligados à lingua portuguesa e jornalistas. Membros da diretoria nacional e estadual, além de importantes lideranças empresariais e políticas também estarão presentes na solenidade.

Os novos imortais farão o juramento solene e serão consagrados com as togas, usadas em todos os encontros da Academia de Letras do Brasil, além de receberem a medalha. Em Santa Catarina, a ALB agrega mais de 2.100 escritores, segundo o presidente nacional, escritor Mário Carabajal. No Brasil são entre 8 e 10 mil integrantes, das mais diversas áreas ligadas a literatura. A Academia de Letras do Brasil é uma entidade cultural politicamente ativa, da Ordem de Platão. O presidente nacional da ALB explica que o preceito é atuar em causas sociais, através da formação de mentes pensantes. “Nos preocupamos em contribuir com o fim da corrupção, com o fim da fome e outras ações para melhorarmos a sociedade”, destaca.

Para a presidente da Seccional Penha da ALB, educadora Maria Juraci Alexandrino, o momento é solene e marca uma nova fase da produção cultural de Penha, pois o trabalho da Academia de Letras do Brasil vai muito além do estímulo ao hábito da leitura e escrita. Para Juraci, a ALB Seccional Penha terá papel fundamental no desenvolvimento de projetos para a formação de novos escritores e valorização da cultura no município, além de buscar participar ativamente na proposta da criação de uma Fundação Cultural em Penha, promoção de eventos literários e projetos nas escolas. 

A presidente da regional Santa Catarina, escritora Apolônia Gastaldi, destacou em reunião com os futuros imortais que a Seccional de Penha deve seguir os preceitos praticados pela Academia de Letras do Brasil: ser uma entidade viva, participativa, que faz a diferença e desperta o saber crítico para ser aplicado na sociedade.